logo


 

  • Sinopse

    Rasto Atrás conta a história da família de Vicente, dramaturgo famoso, que volta à sua cidade e a seu núcleo familiar em busca de um novo sentido para sua existência e do reencontro com suas raízes. Decide, então, partir rasto atrás, artimanha em que a caça confunde o caçador. Nessa viagem, mergulha nas intrincadas trilhas da memória, revisitando o seu passado e o de sua família.

 

  • Processo de criação

    No contato com Jorge Andrade, Os Geraldos também empreendem um retorno às suas raízes, à memória cultural do povo paulista e à sua memória de grupo. Para explorar esse repertório – em imagens, gestos, ações e músicas – , o processo criativo teve, como elemento central, o trabalho do ator, dentro de um jogo improvisacional com a dramaturgia.

    Guiado pelo olhar astuto e criativo de Dagoberto Feliz, o processo teve a contribuição fundamental: da assistente de direção Marcella Vicentini, com o treinamento em Viewpoints; de uma extensiva preparação musical e vocal,  com a italiana Francesca Della Monica, a mineira Babaya Morais e o paulista Everton Gennari; e do figurinista Nour Koeder, sensível e atento às metáforas e à estética propostas.

 

  • O Diretor

    Diretor e ator, Dagoberto Feliz participa do Grupo Folias desde sua fundação. É pós-graduado em Teatro e em Direção Teatral pela ECA-USP. Desde sua primeira atuação profissional, em 1984, sua trajetória conta, ao todo, com 95 espetáculos, em que ele atuou como ator, diretor ou diretor musical. Já recebeu alguns dos principais prêmios da cena brasileira: em 2018, recebeu o Prêmio Aplauso Brasil de Melhor Ator Coadjuvante por “Roque Santeiro, o Musical” (direção de Débora Dubois); em 2016, foi contemplado pelo prêmio APCA de Melhor Espetáculo Infantil para “Chiquita Bacana no Reino das Bananas”, de sua direção, e de Melhor Direção de Espetáculo Teatral Musical da Arte Qualidade, por Godspell; em 2013, levou o Prêmio APCA de Melhor Direção, por “Folias Galileu”; e, em 2005, o Prêmio Shell de Direção Musical por “El Dia Que me Quieras”.

 

  • Encenação

    A dramaturgia de Jorge Andrade, que costuma sugerir uma abordagem realista, é levada à cena com uma linguagem estilizada, com um intenso trânsito entre o cômico, o dramático e o musical.

    Assumindo sua condição de grupo – o que confere um tom metalinguístico à encenação -, os 12 atores, que permanecem em cena o tempo todo e executam ao vivo a trilha sonora, contam a história em dois atos: no primeiro, a trupe – incluindo palhaços, criados no espetáculo Números (direção de Roberto Mallet), que marca a fundação do grupo, e outras obras – joga com a dramaturgia de forma cômica e se reveza entre as personagens; já no segundo ato, caem as máscaras – as de palhaço e as das relações familiares de Vicente – para o enfrentamento de que precisa o personagem para defender sua vocação diante de uma sociedade cujos valores, muitas vezes, querem minar a expressão artística.

 

  • Ficha Técnica

    Direção: Dagoberto Feliz

    Assistente de direção: Marcella Vicentini

    Treinamento Vocal e Musical: Babaya, Francesca Della Monica e Everton Gennari

    Consultoria em Cenário: Flávio Tolezani

    Cenário: Dagoberto Feliz

    Cenotécnica: Jaime Pinheiro e Os Geraldos

    Maquiagem: Dagoberto Feliz e Os Geraldos

    Figurino: Nour Koeder e Lucas Gonzaga

    Técnicos de Luz: João Fernandes e Thifany Nicolini

    Elenco: Carolina Delduque, Cristiana Cunha, Douglas Novais, Gileade Batistta, Julia Cavalcanti, Lucas Gonzaga, Nathália Pezzato, Patrícia Palaçon, Paula Mathenhauer Guerreiro, Railan Andrade, Valéria Aguiar e Vinícius Santino

 

  • Teaser do Espetáculo

     

 

  • Arquivos para download

    EM BREVE.

Deixe um comentário

*

captcha *